Assunção de Maria nos fala do presente e do futuro, afirma cardeal

Bispo de Leiria-Fátima preside celebração na solenidade da Assunção de Maria e pede a intercessão da Senhora de Fátima na luta contra o mal

A Igreja Católica celebra no dia 15 de agosto, em todo o mundo, a festa litúrgica da Assunção de Maria, um dogma solenemente definido pelo Papa Pio XII, em 1º de novembro de 1950. Em alguns países a solenidade é celebrada como um dia festivo marcado por feriado nacional. É o caso de Portugal, que  há vários séculos celebra a data.

O bispo de Leiria-Fátima, Cardeal António Marto, presidiu, nesta quinta-feira, 15, a missa no Recinto de Oração do Santuário de Fátima, e destacou que a solenidade da Assunção de Maria é um convite à esperança e à vitória do bem sobre o mal. “É uma festa que nos fala do presente e do futuro” disse Dom António “na  assunção de Nossa Senhora à glória celeste compreendemos que o céu de Deus tem um coração de mãe. Um mistério grande  que nos fala sobretudo de esperança, de consolação e de alegria para todos nós”.

Segundo o cardeal, foi este mistério que os pastorinhos tão bem compreenderam, em especial a pequena vidente Lúcia a quem Nossa Senhora consolou com a promessa de que o seu coração imaculado seria o refúgio e o caminho que a conduziria até Deus. “Também nós estaremos ao lado de Jesus na sua plenitude. Esta é a nossa esperança na vida para além desta vida- a vida eterna”, disse ainda.

Dom Marto afirmou que além da esperança, esta festa convida-nos a “crer no poder da ressurreição de Cristo e a vivermos como homens e mulheres corajosos, capazes de levar a luz onde existe o mal e as trevas”. Ele encorajou a deixar-se vencer pelo poder do mal do “dragão sanguinário, pois onde há a presença de Deus, o mundo torna-se melhor”.

O cardeal lembrou que Maria é sempre a mãe que do “Céu nos olha, com amor, está perto de nós e nos segue com a sua solicitude materna”. E por isso devemos nos “agarrar a ela” e pedir sua intercessão em todos os momentos para que ela continue a proteger-nos, nos momentos felizes e nos mais difíceis e nos acolha junto do seu filho.

Por fim, convidou  os peregrinos a olharem para Maria como “a porta do Céu, onde nos espera o seu filho. Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora da Assunção, Porta do Céu, rogai por nós”.  A celebração contou com a participação de peregrinos de  Portugal, da Costa do Marfim, França,  Áustria,  Alemanha, Vietnã, Itália, Estados Unidos, Espanha e  Lituânia.

A Assunção da Virgem Maria foi atestada na constituição apostólica “Munificentissimus Deus”, que define ser dogma divinamente revelado que a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial”.

Ao falar sobre o dogma, o papa emérito Bento XVI, explicou que a importância do culto a Nossa Senhora, por parte dos católicos, reside na convicção de que Maria tem uma “missão de intercessão e salvação”, pois “Nossa Senhora ao ser assunta ao céu fica mais próxima de seus filhos aqui na terra, intercedendo por eles junto a Jesus, e torna-se um sinal luminoso da vida futura que esperamos”.

COMPARTILHAR