Bitcoin: contra a febre, a vacina é bom senso e pés no chão

O futuro da criptomoeda é difícil de prever, mas o das pessoas que estão apostando até a família não costuma ser próspero…

No mundo inteiro, cada vez mais pessoas estão comprando bitcoins e sonhando com uma fortuna extraordinária que surgiria num intervalo de tempo quase tão sedutor quando a variação da noite para o dia.

O impressionante aumento do valor da criptomoeda tem atraído também os hackers: no começo deste mês, a carteira digital da NiceHash, uma empresa sediada na Eslovênia, foi invadida e teve os seus bitcoins roubados – uma perda de cerca de 60 a 70 milhões de dólares, com base na cotação de então (e, de quebra, a maior fraude da história eslovena até o momento). A NiceHash se apresenta como o maior marketplace do mundo para a mineração de criptomoedas, ou seja, para o processo de adicionar registros de transações ao livro-razão público do bitcoin e de outros ativos do gênero.

Valorização épica

Em 2009, quando o até hoje misterioso japonês Satoshi Nakamoto lançou o primeiro programa para as transações de bitcoins, a moeda digital praticamente não tinha valor. Desde então, o valor foi aumentando entre frequentes oscilações até atingir, neste mês, um ápice histórico em torno de incríveis 20.000 dólares.

Muitas pessoas que compraram bitcoins por poucos centavos em 2010 ou por poucos dólares em 2011 e os venderam no topo da cotação recente ficaram multimilionárias. Até quem comprou os ativos de Nakamoto no ano passado e os vendeu após um ano lucrou várias e várias vezes o dinheiro investido.

Assim como na corrida do ouro, as histórias de gente que ficou fabulosamente rica de uma hora para a outra seduziram multidões de compradores de bitcoins – nem todos muito sensatos, porém: alguns investiram além do limite da prudência, chegando a hipotecar a própria casa em uma cega aposta na fortuna fácil…

Opiniões divergentes

São variadas as posturas em relação às criptomoedas, das quais o bitcoin é a pioneira, a mais conhecida e a mais relevante. Os entusiastas o qualificam como a moeda do futuro, responsável pelo fim das moedas tradicionais e por uma revolução sem precedentes na história das finanças. Outros questionam a própria qualificação do bitcoin como moeda, preferindo defini-lo como um ativo de altíssimo risco, ainda envolto em muita especulação. Também há quem afirme que o bitcoin não passa de uma fraude descomunal e, portanto, deveria ser proibido antes de provocar uma catástrofe econômica mundial.

Não há previsões seguras, mas, por enquanto, os bitcoins e as outras criptomoedas estão longe de sepultar o dinheiro dito “real”. Também estão longe de ser apropriadamente definíveis como uma espécie de “ouro digital”, já que, enquanto a compra do metal ainda é considerada um investimento sólido e de longo prazo, a grande oscilação dos bitcoins gera gráficos capazes de dar autênticos sustos.

Como a história da riqueza ao longo dos séculos não é nem um pouco isenta de bolhas econômicas e financeiras das mais peculiares variedades, é o caso de se manterem os pés bem firmes sobre a terra.

Tulipamania

A propósito, costuma ser apontada como a primeira bolha especulativa registrada na história a “tulipamania” ou “febre da tulipa”, que acometeu muita gente na Holanda em 1636.

Na época, as tulipas se tornaram um grande símbolo de status e, em não muito tempo, o seu preço disparou. Foram criados mercados formais de futuros para negociar bulbos de tulipas raras antes mesmo das colheitas. Os bulbos viraram objeto de especulação. Todo tipo de membro da sociedade negociava tulipas, inclusive as tulipas que ainda nem existiam fisicamente: nobres, plebeus, pequenos comerciantes, servos, marinheiros… As pessoas chegavam a vender suas casas e terras para comprar tulipas “virtuais”, esperando a subida contínua dos preços. Em 1637, porém, o acúmulo de vários fatores levou à perda de confiança nesses títulos e causou uma corrida para o resgate dos investimentos, fazendo os preços desabarem estrondosamente e provocando a completa falência de inúmeros negociantes. A bolha das tulipas tinha explodido.

Investir versus especular

É bem grande a diferença entre investir e especular. Assim como os investimentos sólidos precisam de bases firmes, também os investidores prudentes precisam dos dois pés sobre a terra, enquanto olham para os horizontes e para os seus sinais com atenção e não com devaneios.

Por último, mas não por isso menos importante: um católico não pode se esquecer de que a ganância é um pecado e, como tal, jamais termina bem. Colocar em risco a sua casa? Colocar em risco a sua família? Por favor: revise as suas prioridades. Agora.

Aleteia: vida plena com valor

v01_ELETRONORTE_SUPERBANNER_CIRIODENAZARE_728X90PX (1)
COMPARTILHAR