O significado da Cruz de Jerusalém

O símbolo da Terra Santa tem uma história antiga e muito rica

A cruz que compõe o emblema oficial da Ordem do Santo Sepulcro (e que guarda semelhança com a bandeira nacional da Geórgia) tem uma história antiga e muito rica.

A maioria dos estudiosos acredita que o símbolo remonta ao século XI e foi desenvolvido originalmente para o brasão do Reino de Jerusalém. O mesmo símbolo foi depois adotado pelos cruzados que rumavam na Idade Média para a Terra Santa, motivo pelo qual é também chamado de “cruz dos cruzados”.

A Cruz de Jerusalém é comumente interpretada como representação das cinco chagas de Cristo. As cruzes menores simbolizam as feridas de mãos e pés de Jesus, enquanto a grande cruz central representa a ferida aberta pela lança do soldado.

Outra interpretação frequente é que as quatro cruzes menores representam os quatro evangelistas, enquanto Cristo mesmo é a cruz central.

A Cruz de Jerusalém tem fortes laços com a Terra Santa e, por essa razão, foi escolhida pela Geórgia para a sua bandeira nacional. De acordo com o embaixador georgiano junto ao Vaticano, “ela tem enorme significado para a identidade georgiana. Acreditamos que essa bandeira existia desde antes das Cruzadas. O cristianismo na Geórgia tem uma longa história de relacionamento com a Terra Santa. Alguns assentamentos monásticos e manuscritos georgianos foram encontrados na Terra Santa, datados dos primórdios do cristianismo na Geórgia”.

Pelo seu rico significado, a Cruz de Jerusalém é bastante popular entre muitos grupos de cristãos mundo afora. Ela chega a ser uma das tatuagens mais comuns na Terra Santa, conforme se pode ler no seguinte artigo:

Aleteia: vida plena com valor

COMPARTILHAR