Os caminhos para superação da violência

Por: noticias.cancaonova.com

Superação da Violência é um caminho a ser trilhado

Padre Antônio Aparecido Alves*

Estamos nos aproximando do final da Quaresma e, consequentemente, da Campanha da Fraternidade, neste ano com este tema tão sugestivo da superação da violência.

Sabemos que isto não é algo que se dará da noite para o dia, mas é um caminho a ser trilhado, a partir da convicção de que o amor é mais forte que o ódio e de que o perdão é mais importante que a vingança.

A superação da violência passa pela conversão pessoal, exatamente o que estamos sendo convidados desde a quarta-feira de cinzas. Pequenos gestos e mudanças de atitudes podem ser muito valiosos para a construção de uma cultura de paz.

Acreditar firmemente na solução pacífica dos conflitos pode ser um grande meio para superar a violência presente na sociedade.

A inclusão social dos pobres e o diálogo, como caminhos para a Paz social.

A nossa sociedade caiu no que poderíamos chamar de “banalização do mal”, de modo que a violência não lhe causa indignação. Por outro lado, tem-se a impressão equivocada de que, para superar a violência, é necessário aumentar o efetivo policial nas ruas, armar a população, penalizar os menores infratores, instituir a pena de morte e outras coisas.

Não são poucas as pessoas, inclusive cristãos praticantes, que caem nesta falácia e defendem o endurecimento da sociedade.

Ora, sabemos que a segurança pública é direito do cidadão que paga seus impostos e, por isso, um dever do Estado, que deveria promover políticas públicas para propiciar isto a todos. No entanto, elas não serão eficazes se não forem acompanhadas de ações sociais, tais como distribuição de renda, moradia digna, geração de empregos, saúde e educação de qualidades.

Como afirmou o Papa Francisco na Evangelii Gaudium, a paz social está ligada à inclusão dos pobres (EG 186-216). Sem isto, não se conseguirá a paz social.

Outra atitude para alcançar a paz, indicada pelo Papa Francisco, está no diálogo. São diversos os interlocutores com quais os cristãos são chamados a dialogar, tais como o Estado, a Sociedade, as Ciências, outros crentes que não fazem parte da Igreja Católica, assim como também com os não-crentes (EG 238). Como o povo costuma dizer em sua sabedoria, “é conversando que a gente se entende”. Então, se falta essa dimensão dialógica na vida social, a gente se desentende.

A Coleta da solidariedade

Por fim, no Domingo de Ramos será realizada a coleta da solidariedade, que tanto bem tem feito ao nosso povo, através do apoio a projetos sociais previamente selecionados, seja em nível diocesano quanto nacional.

Esta coleta deve ser fruto de nosso sacrifício quaresmal, pois é como se estivéssemos tirando da boca para doar solidariamente a quem necessita mais do que nós. Este gesto de partilha fraterna deve ser realizado não por constrangimento ou obrigação, mas por amor, pois “Deus ama a quem dá com alegria” (2 Cor 9,7).

Se você não fez nenhum sacrifício durante a quaresma aproveite, então, esses últimos dias, faça a experiência de se privar de algo, para depois oferecer isto em doação nesta coleta.

O post Os caminhos para superação da violência apareceu primeiro em Notícias.

Notícias

COMPARTILHAR