Fátima: Peregrinação de outubro começou com oração pela paz na Coreia e na Síria

Celebrações são presididas pelo cardeal de Seul

Foto: Santuário de Fátima

Fátima, 12 out 2019 (Ecclesia) – As celebrações da peregrinação internacional de outubro no Santuário de Fátima começaram hoje junto à Capelinha das Aparições, com uma oração pela paz na Coreia e na Síria.

“Neste mês de outubro comemoramos Nossa Senhora como a Senhora do Rosário. Foi assim que Ela se apresentou aos Pastorinhos pedindo-lhes que rezassem o terço todos os dias. Também nós, hoje, queremos apelar à oração pela paz nas famílias, nos países e no mundo, mas em especial na Coreia e na Síria”, disse o bispo de Leiria-Fátima, perante os peregrinos que acorreram à Cova da Iria.

O cardeal D. António Marto sublinhou que a peregrinação acontece, este ano, durante o mês missionário extraordinário, convocado pelo Papa Francisco.

“Queremos ter em intenção esta vontade do Papa para que o sopro do espírito frutifique no coração dos homens” reforçou o responsável católico, sublinhando “o afeto e comunhão” com os cristãos católicos da Coreia e de toda Ásia que marcam presença em Fátima, num “número tão expressivo”.

“A sua presença aqui alegra-nos muito e permite-nos exprimir o afeto e comunhão com os cristãos católicos da Coreia e de toda a Ásia”, acrescentou D. António Marto, numa intervenção citada pela sala de imprensa do Santuário de Fátima, sublinhando que o “caminho que faz cada peregrino torna-se uma expressão viva da peregrinação interior”.

Foto: Santuário de Fátima

A Peregrinação Internacional Aniversária de outubro é presidida pelo arcebispo de Seul, cardeal Andrew Yeom Soo-Jung.

“Sou peregrino como vocês, também venho em peregrinação ao encontro da Mãe. Vamos rezar e pedir a Nossa Senhora de Fátima pela paz no mundo e pela nossa conversão”, declarou o cardeal sul-coreano, junto à imagem da Capelinha das Aparições.

Antes, em conferência de imprensa, o cardeal de Seul recordou a missionação portuguesa no Extremo Oriente e os mártires do seu país, sublinhando que em 1917, data das aparições de Fátima, o território coreano estava sob domínio do Japão.

  1. Andrew Yeom Soo-Jung disse aos jornalistas que se tem feito uma aposta na educação para promover o diálogo entre Norte e Sul, na Península Coreana, rezando pela “paz e a reconciliação” entre os dois países.

Já D. António Marto assinalou que a presença do cardeal de Seul, depois da passagem do bispo de Hiroxima, em 2018, é um sinal da “atenção que o Santuário dedica à paz” e ao crescente número de peregrinos asiáticos que acorrem à Cova da Iria.

Em 2017, uma das imagens da Virgem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima esteve na Coreia do Sul, entre 22 de agosto e 13 de outubro, tendo percorrido 14 dioceses.

Para a peregrinação internacional aniversário do 13 de outubro, estão inscritos no Santuário 157 grupos de mais de duas dezenas de países.

A peregrinação prossegue às 21h30 com o Rosário, que terá um mistério rezado em coreano, seguindo-se a Procissão das Velas e a Missa da Vigília.

Este domingo, o Terço sere rezado às 9h00, seguindo-se a Missa Internacional e a Procissão do Adeus.

OC

Partilhar:

Por: www.agencia.ecclesia.pt

COMPARTILHAR